Brasileiro encaram supletivo no Japão


Supletivo: brasileiros encaram provas

Muitos dos candidatos querem concluir os estudos para retornar ao Brasil e enfrentar o mercado de trabalho.

Nagoia - Muitos brasileiros estão buscando concluir os estudos para poderem retornar ao Brasil em condições melhores de enfrentar o mercado de trabalho. Pelo menos foi o que muitos dos candidatos disseram para a Alternativa neste sábado (31), quando participaram das provas Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja), conhecido popularmente como supletivo.


As provas do ensino fundamental foram aplicadas neste sábado em Nagoia (Aichi), Hamamatsu (Shizuoka) e Ota (Gunma) pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Neste domingo (1º de junho), será a vez das provas relativas ao ensino médio.


Daniel Shimizu, 30, veio de Yokkaichi (Mie) para acompanhar a esposa Débora Utiyama nas provas do ensino fundamental. Mas enquanto aguardava, ele estudava para o exame do ensino médio que fará neste domingo. “Quero voltar para o Brasil e fazer um curso de técnico de mecatrônica. Já minha esposa quer estudar nutrição. E sem o ensino completo no Brasil você não consegue nadaˮ, disse Daniel.


Tainara Tsukase, 23, de Anjo (Aichi), contou que estudou em escola japonesa, mas como esteve recentemente no Brasil, encontrou uma realidade que não esperava. “Eu não consegui emprego por não ter concluído os estudosˮ, disse. É por isso que ela prestou o exame supletivo pela primeira vez para tentar concluir as etapas do sistema educacional brasileiro para então retornar ao Brasil com mais chances de dar uma vida melhor para ela e para o filho de sete anos de idade.


Outro que veio para o supletivo movido pelo desejo de retornar à terra natal é Flávio Takasaki, 36, de Yokkaichi. Ele contou que precisa apenas eliminar as disciplinas de Português e redação para concluir os estudos. Mas confessa que teve dificuldades de desenvolver a redação que teve como tema “trabalho voluntárioˮ. “Sinto que as questões estão ficando cada vez mais difíceis com o passar dos anosˮ, comentou ele, que pretende trabalhar no Brasil em duas áreas que ele atua no Japão: construção civil e mercado de carros.


A dificuldade que muitos encontram na redação foi notada por Viviane Matsukura, 27, que acompanhou o marido Adriano, que veio fazer a prova do ensino fundamental em Nagoia. “Para ir bem na redação é preciso ler muitoˮ, ensina Viviane, que já concluiu os estudos através do Encceja há dois anos.


“E digo não ler apenas o que gosta, mas também coisas pelas quais a pessoa não se interessa. Geralmente o tema da redação é algo que as pessoas não se interessamˮ, acrescenta. O casal Matsukura enfrentou cinco horas de estrada de Okayama até a capital de Aichi. Adriano prossegue no domingo nas provas do ensino médio. Ambos também pretendem voltar para o Brasil, onde Viviane deseja estudar Direito.

 
O sonho de Laís Abe Matsumoto, 23, de Sakahogi (Gifu), é concluir os estudos através do Encceja e voltar para o Brasil para fazer pelo menos duas faculdades, de psicologia e de administração. “A de administração pode me abrir espaço em grandes empresas. Mas minha área preferida é psicologiaˮ, disse ela. “Eu sempre estudei em escola japonesa. Sei falar e escrever em japonês, mas aqui não encontro oportunidades. Por isso quero voltar para o Brasilˮ.


DOMINGO
No dia 1º de junho, as provas serão para o Ensino Médio: de manhã, Ciências Humanas e suas Tecnologias e Ciências da Natureza e suas Tecnologias; à tarde, Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, Redação e Matemática e suas Tecnologias.


Serviço
Nagoia - Universidade de Aichi
453-877 Aichi-ken Nagoya-shi Nakamura-ku Hiraike-cho 4-60-6 (10 minutos a pé da estação de Nagoya (JR), saída Sakura Dori, sentido Midland Square)
Salas: dia 31/05 (Ensino Fundamental) - prédio 11, sala L 1103; dia 01/06 (Ensino Médio): prédio 11, sala L 1103 e L 1104


Hamamatsu - Hamamatsu Gakuin Daigaku
432-8012 Shizuoka-ken Hamamatsu-shi Naka-ku Nunohashi 3-2-3


Ota - Escola Paralelo
373-0806 Gunma-ken Ota-shi Ryumai-cho 2743. Telefone: 0276-48-6162. Fax: 0276-46-6534. E-mail: info@escolaparalelo.com

Fonte:ANTÔNIO CARLOS BORDIN/ALTERNATIVA

Share on Google Plus

About Say me

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.